22 de out de 2008

In progress

Ó, estamos trabalhando em algo que vai dar certo. Em breve cartazes, flyers, tatuagens, busdoor e outras mídias serão engolidas por nós. Até lá, enchemos linguiça com nosso arquivo.

10 de out de 2008

A apresentadora Eliana comemora neste domingo (12) dez anos na Record e 20 anos de carreira ... fará uma edição especial do "Tudo É Possível" ... A atração terá a participação da banda NX Zero ... Os integrantes da banda de pop rock vão cantar músicas de Eliana, como "Dedinhos" -- aquela que fez sucesso nos tempos de SBT, que começa com o seguinte verso: "Polegares ... polegares ... onde estão?". Outro grupo que participa da fes ... ... ... e vida segue ... ... ...

Resumo da história


Quer saber que porra é essa? Vá em AZucrina.org.

"[Tomar drogas] é como levantar de manhã e tomar uma xícara de chá"

Tá no blog do jornal brasileiro mais moderno-descolado-dedo-no-cu-indie, uma compilação das melhores frases de Noel, na melhor fase do Oasis.

Destaco essa: "Gente ultrapassada não deveria entregar prêmios a quem está em alta. Eu sou extremamente rico e você não é"; para Michael Hutchence, do INXS, que entregou prêmio ao Oasis no Brit Awards, em 1996.

E não é que o tal Hutchence se matou no ano seguinte? Fino, né?

5 de out de 2008

A fetofília - Uma ode ao amor inter-fetal

Bem, então após ler sobre a fetofilia num dos posts abaixo uma pulga começou a coçar atrás da sua orelha. Normal, normal... sabemos que sempre que um assunto tabu é mencionado nossos sentidos são acionados e ficamos alertas, sabendo que alguma coisa proibida está logo ali, e basta estendermos nossa língua para poder tocá-la.

Da mesma forma que viados, lésbicas, pedófilos, zoofilos e principalmente héteros infestam o planeta desde os primórdios, os fetofilos estão aí e não há motivo para discriminação. Caixas de banco, gerentes de banco, seguranças de bancos e principalmente estagiários de bancos podem amar fetos da mesma forma que seu pai e sua mãe podem se amar (ou se odiar, caso seu pai seja um bêbado e sua mãe uma vaca).

Dias desses conheci a Carolina - que na verdade se chama Helena Souza Rocha e é estagiária da agência Floresta do Bradesco aqui em Belo Horizonte - um estagiária de determinada agência bancária de BH, que me confessou ser fetofila. Em uma sincera entrevista, Carolina me revelou as dores e delícias desse comportamento doentio que precisamos passar a achar normal. Segue abaixo as principais revelações do nosso bate-papo.

O início:
"A primeira vez que um feto atiçou minha líbido eu tinha uns 14 anos, e era muito nova para entender o que estava acontecendo. Eu tinha um namorado, nós até transávamos regularmente, mas eu nunca me sentia muito excitada pelas carícias dele. Até que um dia um feto passou a mão entre minhas coxas, e me deixou toda molhada.
Na verdade ele não passou só a mão, passou também a cabeça, o braço, o ombro e as pernas. Isso foi numa festa na casa de uma amiga, no quarto dela enquanto eu fazia um aborto."

Os primeiros encontros:
"Após ter meu primeiro namorico e descobrir que era daquilo que eu gostava mesmo, passei a frequentar os points que essa galera vai badalar. Assim comecei a paquerar em laboratórios de maternidades, museus de morfologia, lixões e beiras de córregos, onde conheci alguns namorados.
No princípio tive alguns problemas, pois dava cantadas em "fetas" achando que elas eram "fetos". Teve até uma vez que namorei uma delas por duas semanas achando que era um macho, mas você sabe né? Tem coisa que na cama não tem como esconder, e na terceira vez que fomos ao motel percebi meu equívoco."

As dificuldades:
"Ah, namorar fetos, apresentá-los para a família, freqüentar restaurantes, ter uma vida normal, é muito difícil nessa sociedade tão tradicional. Pelos meus namorados viverem em compotas, minha mãe até hoje não sabe se prepara a cama deles dentro da geladeira ou no armário quando vamos dormir lá em casa. Papai mesmo nunca conseguiu conversar com um namorado meu. O mercado de trabalho também não absorve a mão-de-obra deles, o que gera um problema para o meu futuro, afinal casar com alguém que não ganha dinheiro é um tanto mais difícil."

O veredito:
"Os fetos são mais carinhosos, mais parceiros, mais compressivos e mais mal formados que a maioria das pessoas que estão disponíveis por aí. Eu não largo um feto por homem nenhum desse mundo. Ah não ser que ele tenha pauzão."

O futuro:
"Ah, o futuro é incerto, mas sonho em me casar com um feto que seja um fazendeiro rico, pra ter um monte de fetinhos. Mas também me casaria com um homem pauzudo e que tenha dinheiro pra casar."

Ao final da conversa, antes de ir ajudar um velhinho a sacar dinheiro em um caixa eletrônico, Carolina fez a última revelação sobre essa forma estranha de amar: "Já namorei até modelo. O Cláudio mesmo estrelou uma campanha nacional para o Ministério da Saúde", e a estagiária cheia de sonhos sobre uma sociedade mais justa e homens de paus enormes voltou a trabalhar.


(O galante Cláudio...)

2 de out de 2008

Salvar o mundo

O mundo

Ainda será salvo

Com cachaça e privadas...

Essa porra tá perdendo o limite!!!!!!!

O melhor do Mongo é a expressão de "nigga what"...

A Fetofobia...

Comentando com algumas pessoas sobre o tema da semana e sobre a Fetocracia acabei descobrindo algo muito interessante sobre mim.

Sou fetofóbico.

Nunca achei que sofresse de tal mal.
Na verdade acho que sou o primeiro do mundo.

Acho que tudo começou quando eu era um feto.
Sou filho mais velho, aquele filho que vem de surpresa e que os pais usam de teste, para poder criar os outros filhos com mais habilidade e tal. Acho que esta experiencia aliada a vez que fui seqüestrado e forçado a me alimentar de fetos no frasco, me fizeram ter desprezo por esses seres.

Então...
O problema é que sei que sou apenas mais um feto velho.
E nada pior que um feto, do que um que consegue pensar.

Enfim.
Isso é um problema meu.
Mas vocês sabem que possuo aquele coração de manteiga e vou ajudar vocês.
As vezes você é fetofóbico e nem sabe!!!
Tenso né?

Então pra te ajudar vou listar os principais sintomas da Fetofóbia:

- Pesadelos com fetos
- Desejo incontrolável de chutar barriga de grávidas.
- Repulsa a bebes, filhotes e seres pequenos e avermelhados.
- Autocastração com talheres plastico.
- Fetiche com idosos.
- Depressão pós-parto.


ps: Se você tem fetiche com fetos você é FETOFILICO.
Abordaremos isso depois...

1 de out de 2008

Tema da semana - FETOS

É foda começar, na quarta-feira, a tratar de um tema para a semana inteira.
É foda e estupido.

Mas quem liga?
Eu faço o que eu querê mesmo.

Tenho a missão de arrumar um tema pra usar até domingo.
Como O Batista está com o Xande por conta de um freela, adivinha que será o anfitrião?

Pois é.

O tema da semana é FETO.
E não tem explicação nenhuma. Vai ser feto porque eu quero.

El mural de los fetos

Todo mundo adora fetos.
Todos adoram a idéia de gerar fetos.
Criar fetos.
Comer fetos...

Eu tenho minha maneira singela de ver o mundo.
Detesto fetos.
A idéia de que eu posso gerar um feto já me deixa preocupado.
Não quero ser mais um que vive em função do seu feto.

Vai dizer que você não conhece pessoas que vivem na FETOCRACÍA?
É isso mesmo.
Existem governos Fetocráticos, você pode estar tão dentro de um e não consegue perceber.


Parei para pensar nisso a pouco tempo.
To naquela idade em que vejo meus amigos casando e logo depois do casório o que rola?
Um golpe Fetocrático!!! Você deixa de ser parte da sociedade democrática e passar a responder a penas um e em função dele tudo deve ser feito.
O feto.

LIBERTEM-SE.